6/5/1882 – Queixa-se “O Comércio do Amparo da mudança feita no leito do rio, que se tornou “um foco de miasmas, exalando pestíferas emanações” – Já havia sido feita um retificação no Camanducaia nessa época.
23/7/1884 – 16 famílias de imigrantes açorianos se estabeleceram em diversas fazendas de Amparo.
13/11/1884 – Acham-se concluídos na Itália os dois altares de mármore que o major Jacinto José de Araújo Cintra vai oferecer à Matriz de Amparo.
2/12/1887 – uma nova rua é aberta em Amparo. Irá se chamar Rua Albino Alves. Na verdade, quem abriu a rua foi o próprio Albino Alves, que loteou os terrenos dessa região.
10/7/1885 – Foi morta a tiros em Santa Isabel do Rio Preto uma cobra de espécie desconhecida, que media 2,84 metros. Santa Isabel do Rio Preto é hoje um distrito do município de Valença, no Estado do Rio de Janeiro.

16/12/1885 – Morte suspeita do coronel Camilo José Pires, chefe político de Itatiba, no dia do seu casamento, quando montava a cavalo.
20/2/1886 – Trigo e cevada produzidos em uma fazenda do município de Amparo. – Um caso de catalepsia no Bairro dos Pereiras.
3/3/1886 – O famoso colégio Azevedo Soares muda de Amparo para São Paulo.
6/3/1886 – São libertados 200 escravos sexagenários em Amparo.
1/4/1887- Linha telefônica entre Amparo e Campinas é concedida a José Augusto Boucault.

 

Siga-nos!

Facebook: Os Amparenses

#OsAmparenses #GenealogiaAmparense #HistoriaAmparense

Comments are closed.